20081110
6 Pensadores

BARACK ASSUME O "BUSHO"!

segunda-feira, novembro 10, 2008

A participação dos eleitores nas eleições para presidente dos EUA fez com a Usina voltasse a falar sobre democracia. O democrata Barack Obama venceu com quase 66% de participação do povo, de acordo com o site Real Clear Politics, o que significaria a maior taxa de participação desde 1908. Veja que a eleição presidencial norte-americana ocorreu em uma terça-feira e lá, diferentemente do Brasil, não é feriado. Os eleitores tiveram que enfrentar longas filas para votar e depois retornar ao trabalho, ou seja, votam porque estão conscientes da importância que tem os seus votos e não o fazem por obrigação. Isso é que eu chamo de democracia, porque aqui a gente ouve muito falar que um país democrático. Mas... espera aí, desde quando você ser obrigado a fazer algo é democrático? Os países mais desenvolvidos do mundo como os EUA, a França, a Alemanha e a Grã-Bretanha, o voto é facultativo.

Lembro-me da esperança do povo brasileiro nas eleições para presidente no ano 2002. Nesse ano houve uma grande participação popular, os brasileiros foram às ruas querendo mudança, não agüentavam mais a política das privatizações, do desemprego de Fernando Henrique Cardoso. No dia 27 de outubro Luís Inácio Lula da Silva venceu as eleições com 63% dos votos válidos. Na época o tema foi que "a esperança tinha vencido o medo". Você deve estar se perguntando, o que isso tem a ver com Obama? Veja, a participação em ambos os casos foi uma das maiores da história de cada país. O tema também não foi muito diferente, pois o slogan da campanha de Obama foi: “sim, podemos”.

“O sonho permanece vivo. Hoje é o dia da resposta para as suas dúvidas. Vocês colocaram as mãos no arco da história e escolheram a esperança de um novo dia”, declarou Obama. A esperança aparece mais uma vez. Agora eu pergunto quem já imaginou que os EUA, um país tão preconceituoso, colocaria no poder um negro e ainda, de origem islâmica? Mas, parece ironia do destino! Isso mostra que os cidadãos americanos, assim como os brasileiros, estavam também cansados. Eles, da política de “guerra contra o terrorismo” de George Bush.
Fazendo uma comparação, parece que o ser humano nutre uma grande esperança por dias melhores, mesmo em meio às crises, fazendo com que essa esperança ultrapasse o limite do preconceito. Isso é bom. Pois aqui no Brasil pela primeira vez na história um líder sindical chegou ao poder. Deixo uma pergunta: vocês acham que houve grandes mudanças por aqui? Pelo que me parece muitos brasileiros se decepcionaram, porque esperavam que o presidente Lula fosse fazer do país um Brasil bem diferente, com mais saúde e educação e, infelizmente, não é isso que a gente vê. E Obama, será que irá conseguir resolver entre os principais problemas, a crise nos EUA, o Iraque, o terrorismo e o sistema de saúde?

6 Pensadores:

Alê disse...

eu escrevi dessa forma tb...Esse ë meu medo....
Temos que aguardar para ver Obama fazer historia,ne???

Jornalista Azarado disse...

Mais do que mudar o voto, o povo tem que mudar de atitude, só assim teremos mudanças substanciais, afinal, para vencer toda a corrupção existente no congresso, ou um democrata conta copma força do povo para limpar a política, ou a faxina terá que ser feita por um monarca/ditador. Viu o problema? O povo é necessário para combater a corrupção, sem esse apoio, é quase impossivel vencer esses canalhas de colarinho branco. Só com muita força política mesmo.. mas muita, muita força, como nunca se viu na história desse país...

Alex disse...

A DEMOCRACIA É UMA FARSA VEJA PORQUE COM ARISTÓTELES
Não sei se foi por antiga magia ou tecnologia secreta que Aristóteles veio a dar em Brasília. Queria conhecer nossa Constituição, dizendo ser hábito seu empedernido. Encontrei-o por azar; expliquei lhe o básico, alguma bibliografia. E recolhi alguns de seus comentários.

Para ele o nosso sistema político não poderia ser chamado de “democracia” e, de fato, não o é, tecnicamente falando. A palavra designa somente regimes nos quais o povo detém o poder soberano; exercendo-o diretamente em assembléia, sem que tal poder conheça qualquer limite ou contrapeso institucional. Significa literalmente o “poder popular” e sua realização pressupõe a maior igualdade possível de todos perante a lei (isonomia) e quanto ao direito de participar da decisões públicas mediante a fala (isegoria). Tal igualdade fundamental torna impossível a representação política já que esta pressupõe a separação prática e formal entre representantes e representados, entre dirigentes e dirigidos. Assim, qualquer processo de escolha de magistrados, como votação ou concurso de provas e títulos, não é democrática pois toma os indivíduos pelas suas diferenças, ranqueando-os em melhores e piores. Por isso mesmo, a eleição popular de um presidente ou deputado; a de um juiz concursado, configurar-se-iam aristocráticas (de aristói – os melhores). O único método realmente democrático de seleção, quando não se pode decidir diretamente em assembléia, é o sorteio. Só aí não há discriminação de mérito, preservando-se a igualdade.

Su disse...

O mundo está mudando... mas agora vamos esperar para ver o que vai acontecer... espero que as mudanças sejam boas!!
Beijoos

Brisa disse...

É muito cedo ainda para dizer que a mudança chegou, vamos esperar o que ele irá fazer!!
Abraços meus!

PABLO ROBLES disse...

Nossa cultura democrática ainda não está tão consolidada, mas acredito que dentro de uma década ficará mais fácil adotar a proposta do voto facultativo

Quanto ao Obama, vamos ver se ele terá sensibilidade e competência para cuidar do "Busho" monstruoso fecundado pelo seu sucessor

Abraços solidários!

www.gritopacifico.blogspot.com

 
Toggle Footer
Top