20081009
10 Pensadores

O MARKETING NO PODER

quinta-feira, outubro 09, 2008

O marketing está sendo utilizado cada vez mais nas campanhas eleitorais. Os políticos são orientados por técnicos, ou seja, pessoas que têm habilidades para lidar com a política e o público, como publicitários, jornalistas, assessores, pesquisadores. São as decisões desses técnicos que circulam nas propagandas eleitorais, entrevistas, debates, porque o importante é passar para o público uma boa imagem do candidato e a ideologia dos partidos acaba não tendo tanta importância e o papel da política pública vai ficando esquecido. Aqui em Fortaleza foi assim que aconteceu, o marketing político foi a principal ferramenta utilizada no Programa Eleitoral Gratuito.

Analise comigo. No mês de julho a pesquisa Vox Populi mostrou que a atual prefeita e candidata à reeleição começou com 27%. Na véspera da eleição esse índice subiu para 53% segundo pesquisa do Instituto Datafolha. Uma candidata que tinha um índice de rejeição de 33% no inicio da campanha, com o horário eleitoral, esse índice cai para 13%. O que será que aconteceu com os eleitores para mudar de opinião em menos de três meses? Vejamos: Luiziane Lins (PT) teve apoio de 12 partidos, (inclusive com partidos que na eleição passada ela criticava e muito), aumentando assim o seu tempo na TV. Foi campeã em arrecadação de campanha, com R$ 891.078,88 angariados até o último 6 de setembro. De acordo com informações disponíveis no site do TSE (Tribunal Superior Eleitoral). Juntando tudo isso com uma campanha encabeçada pelo “marketeiro” Duda Mendonça...o que mais poderíamos esperar?

A propaganda eleitoral mostrava uma falsa realidade da “Fortaleza Bela”. A atual prefeita prometeu na campanha de 2004, o Hospital da Mulher. Realmente esse ela conseguiu fazer, pena que foi virtual.È, esse hospital foi assunto muito explorado na sua propaganda, o problema é que a realidade era bastante diferente. Ela realmente conseguiu vender um produto que não existia, pois no local onde estaria o Hospital da Mulher, encontrávamos só o terreno. Mas, ela usou a propaganda para anunciar que em dezembro deste ano, ele vai estar funcionando. Sem falar nos Centros Urbanos de Cultura, Arte, Ciência e Esporte (CUCAS), que foi promessa da campanha também de 2004, foram prometidos seis CUCAS, após quatro anos sabem quantos a prefeitura entregou? NENHUM. Mas, no horário gratuito esses centros esportivos foram muitos bem mostrados virtualmente. Sem falar na saúde que, segundo pesquisa do Datafolha, teve a pior avaliação, cerca de 60% dos entrevistados avaliaram o sistema de saúde como ruim ou péssimo.

Toda campanha política necessita de criadores, onde cada passo é uma nova criação. Em relação à imagem, pode-se dizer que tudo depende da percepção do eleitor. A comunicação e a publicidade são ferramentas importantes em uma campanha eleitoral. Como diz Antonio Lavareda, especialista em marketing político, “Só há uma saída para a crise de credibilidade do político brasileiro: a reforma desse ‘produto’”. E foi assim, com essa “reforma”, que a petista venceu as eleições com 50,16% dos votos no 1º turno. O que não faz um marketing bem elaborado? O horário eleitoral funciona assim: o político é o produto e nós os consumidores.

10 Pensadores:

Brisa disse...

É, o marketing tá ai. E é como vcs falaram no final do texto: "Os políticos são os produtos, e nós os consumidores."
Temos que ser mais rígidos na hora de "comprar" esses tais produtos, porque não tem código do consumidor que dê jeito!
Beijão, pessoas!

Ana disse...

E o fato é que sempre pagamos caro, muito mais do que vale realmente o 'produto'.

Mas infelizmente não é uma questão de pesquisa de preço.

Ótimo blog.

Fada disse...

Problema: brasileiro vota por simpatia, não por análise. Se fosse pela segunda alternativa, o marketing não teria a força que tem na campanha eleitoral.
É preciso que essa "preguiça" de pensar deixe de ser um hábito cultivado.

Beijos para vcs!

vida cotidiana disse...

Obrigada pela visita, adorei o blog de vocês, vou voltar, e espero vocês lá, bjs

Joice Nunes disse...

muito legal seu blog...
realmente, o marketing eleitoral é um aliado na busca da vitória..é triste.
sim,sou de fortaleza.
sim, apoiei a frente de esquerda!
abraço

Su disse...

Eita amiga, postou mesmo o texto hein?? Ficou mto bom, adoorei, e as imagens como sempre, arrasando com tudo!!!

Mas e triste ver como o nosso marketing ajuda a eleger tantos candidatos que nem são políticos. Aqui em Porto Seguro mesmo teve um caso parecido, era uma epecie de compra e venda da imagem que parecia uma vergonha. Se o candidato é bonitinho e cheirosinho, vamos votar nele. E não é que o sujeito ainda ganha?!! Bons marqueteiros.... E o mais irônico de tudo isso que o slogan da campanha dele era: "Abade o homem de mãos limpas."
Eu guento isso?!!!
BEijossss



*tô aproveitando que tive uma folguinha agora de manhã e to colocando a leitura em dia!

Jornalista Azarado disse...

E sabe qual é a pior parte? É que quando as prpostas vêm maquiadas, o povo, tonto, preguiçoso, ocioso, folgado, displicente e sem um pingo de cidadania, não está nem aí. Cai sempre nesse papo e depois fica reclamando "que político nenhum presta".. é óbvio, a política reflete a cara do povo... É assim que é o brasileiro (em geral não todos): folgado, sempre querendo ganhar um extra sem fazer esforço e egoísta.

É a velha história do pão e circo...

Ana disse...

Aguardando o próximo.
Bom final de semana.

lubyecharges/ disse...

'' político é o produto e nós os consumidores. ''

e o direito dos consumidores?


PARABENS, adoro blog assim
xD


beijosss;*

Anônimo disse...

Bom, só gostaria de dizer que os profissionais do marketing politico fazem o trabalho para o qual foi contratado com eficiência. Se o candidato não cumpre o que prometeu, não é problema do marketing e sim do político. Viva a democracia.
João Severino
Marketingpolitico@joaoseverino.com.br

 
Toggle Footer
Top